Um História Para Crianças Que Todos Precisam Ler


Esta definitivamente é uma história para crianças que todos os adultos precisam ler. Fala diretamente sobre bebês e o que consideramos certo dar-lhes de comer. Trata-se de um mundo cheio de produtos e marcas enriquecidas com vitaminas, livres de gordura e agora com mais cálcio.

Ainda assim, aqui está a grande questão: grande parte desses simpáticos "alimentos" representam escolhas e comportamentos que vão fazer parte da vida diária de nossas próximas gerações. Pais, amigos, parentes, vizinhos e principalmente avós (como há muitos dispostos a mimar seu amados netos), todos devem estar cientes de que dando a seus bebês, bebidas açucaradas ou qualquer comida salgada aleatória que apreciamos é realmente uma forma de moldar a percepção de nossos filhos em relação ao que é bom... E o que é fora do normal de bom!


Não se trata apenas de um pouco de sorvete ou leite achocolatado, e sim de estimular nos pequenos a percepção dos primeiros sinais de que a nutrição ultra-saborosa-artificial-colorida-cremosa-crocante é mil vezes mais agradável do que qualquer papinha caseira.

A Indústria dos Alimentos se esforça para fazer nossa comida durar mais tempo, bem como torná-la uma fonte mais ampla de lucros. A fim de fazer isso, eles estão estudando e melhorando ingredientes de tal forma que os consumidores e as nossas crianças (futuros escravos, quero dizer, futuros consumidores) querem comer mais e mais do que quer que seja.

A Indústria não só está mudando, mas também nos ensinando o que devemos comer. Isso pode ser feito através da publicidade direta, mas principalmente de forma passiva através de nossa educação.

Tudo acontece em nossos primeiros anos de experiência de vida: quando começamos a relacionar almoços de domingo com sobremesas, aniversários com bolos, Páscoa com chocolate, Natal com panetone e hambúrgueres com palhaços.


E mesmo que proibir o consumo não seja e provavelmente nunca tenha sido uma solução para manter alguém longe dessas guloseimas, adultos definitivamente desempenham um grande papel na educação de meninos e meninas no caminho por um estilo de se alimentar mais básico, mais próximo do natural, e menos processado.

Levando em consideração que pode ser muito difícil classificar o que é "besteira" e o que não é, deveríamos fazer o possível para manter nossos hábitos alimentares em torno de ingredientes reais em seu estado natural. Feche os olhos e imagine que você acabou de voltar milhares de anos no tempo, agora considere os alimentos que você geralmente consome: Você seria capaz de colher esse alimentos? Matar para pruduzi-los? Limpá-los? Armazená-los? Em condições naturais, ele existiriam em seu país? Você seria capaz de plantá-los? Se respondeu não para uma das questões, considere que não é só você, mas também os nossos bebés que deveriam aprender a manter essas escolhas alimentares o mais longe possível.


Se o produto embalado tem mais de um ingrediente, não importa o quão orgânico ele seja, evite utilizá-lo como alimento para a uma criança que se quer aprendeu a lhe mandar a m*rda ainda.

Vai chegar o dia em que eles terão livre arbítrio para decidir por si mesmos se eles viverão de pizza e refrigerantes, ou escolher opções mais saudáveis ​​para a maior parte do tempo, mas enquanto ele estiverem sob nossa responsabilidade, devemos fazer o nosso melhor para nutri-los em vez de expô-los aos produtos industrializados e "comidas de mentirinha". E acima de tudo:

As crianças estão sempre utilizando seus pais como modelos; elas aprendem e reforçam seus comportamentos e atitudes com base não só no que podemos considerar bom para elas, mas também no que poderia ser perigoso e ruim para as mesmas.

Força. E Viva Como Exemplo.