Pular para o conteúdo principal

Uma Visão Sobre Escolhas Alimentares & Atividade Física em Tempos de Fim do Mundo

Preferi esperar a poeira baixar, dar tempo de nos adaptarmos a nova realidade em relação a pandemia com a qual ainda estamos lidando, antes de trazer alguns pontos que podem servir de verdadeiras pérolas para todos nós, tanto onívoros (aqueles que comem de tudo), quanto vegetarianos (aqueles que restringem parcialmente ou completamente o consumo de produtos de origem animal). De fato, não imaginei que passaríamos por isso;  já demos adeus a mais de um milhão de vidas (e subindo...) ( WORLDOMETERS, 2020 ) por conta de um vírus que tende a ser ainda mais perigoso quando infecta portadores de doenças crônicas como diabetes e hipertensão, asma, assim como obesos e indivíduos acima de 60 anos ( CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS, 2020 ). Nos escondemos atrás de máscaras e litros de álcool em gel, mas sem nós dar conta de que através do desenvolvimento de Fitness (Hábitos Saudáveis, Educação Física e Nutrição), poderíamos prevenir não só as chances de termos graves complicações ao li

Healthy Eating Isn't Expensive

Healthy eating is not expensive. And it doesn't even have to be a related to bargaining. It is a reality that first of all, in our heads so full of worries and conflicts, needs to go from luxury or sacrifice, to a need that can not be left aside.


One of my regular meals here in Brazil, costs only R$ 3.44, it would be a one dollar meal in comparison to an average R$ 20 meal, also in the same city I am living right now. I buy the cheapest extra virgin oil available, whole chicken breast, potatoes when on promotion and pepper in bulk.

R$ 0.90 300g sweet potatoes
R$ 1.80 300g chicken breast
R$ 0.54 2 tablespoons of extra virgin olive oil
R$ 0.10 1 tablespoon of red pepper flakes

Why Should I Eat Healthy?

Some learn it in books and through various means of information that are not always available to everyone. Others copying their parents; others motivated by their favorite celebrities, and others by force, dealing with the loss of relatives, friends and acquaintances by diseases. 

Diseases, that even if they could not have been avoided, could at least be faced differently, if these individuals who suffered were not sedentary, or were already diagnosed with high blood pressure, arthritis, osteoarthritis, excess fat, diabetes, etc.

Once you truly find your reason, you will start becoming more patient with those stereotypes that will look at your food and say:

Your Aunt: I wish I could eat like this.
The Lazy Coworker: Wow! Will you eat it all?
The Philosopher: Life is much more than a body.
The Negativist: In the end, it all will come to dust, no use for that.
The Oblivious Dish Dissecator: What's that here? And here? That must be a boring life.
The Heavy Drinker/Smoker: Madness, I have no money for eating like this.
The Miraculous Dieter: I even tried to eat all of that for seven days, and nothing happened, then I gave up.
The Nostalgic Grandpa: In you age it is easy, I was also like that, now look at my belly. 
The Futuristic Extremist: Nice meal this one of yours. Next week, I'll have only chicken and water.

The list could be extended absurdly, but the idea is just to show you that anything remains impossible until you decide proving to yourself the opposite.

Once you understand the need, we then follow through a different controversial path: What is healthy? Vegetarianism, Veganism, the Protein Diet, the Zone Diet, the Low Carbohydrate Diet, the Raw Diet, the Paleo Diet, what does science say?

Science will keep changing its opinions, for every favorable study there is at least one claiming the opposite.


Take this story as a  example: I spent the last 2 months eating more carbohydrates than usual, focusing on gaining some body mass. I then started eating brown rice, but after a few bowls and clicks on Google, I found at least three different researches pointing out that white rice, although it has less nutrients, it is less harmful in the long run, because it does not contain as many pesticide remnants as the brown rice has. (1,2,3).

Until that moment, did I live believing the opposite? Yes. Did I switch to white rice? No. I just stopped eating it, because it's not something that I miss in my meals and it can also be replaced by other items. If in the future I wake feeling like eating rice,  I will probably buy an organic option, or even eat the former one, with the difference that now I know that any excess could be harmful.

But even amid so many doubts, here is what most of the diets hold in common:

Eat a variety of unprocessed foods, fruits, vegetables, nuts, seeds, extra-virgin oils, herbs and many leaves. Avoiding the addition of salt and sugar. Opting for chemical, additives, preservatives free. A diet with or without the inclusion of animal products, but always meeting the nutritional needs of each individual.

Remember that nutrients refer to micronutrients (vitamins and minerals) and macronutrients (carbohydrates, proteins, fats), a variety of all of them is crucial.

If you will be going organic; eliminating rice; eating animal products or not; these are choices that do not rely on scientific studies, in my opinion or anyone else, but in your ability to be consistent with your own choices, without giving up the pleasure of eating what you like, and what you feel that is healthy for you.

That same extra slice of bacon that the doctor could say that is bad for your heart; in a moderate way, could be all you need to feel more willing to eat an over sized healthy salad.

Keep Strong. And Learning From Every Meal.

Postagens mais visitadas deste blog

Passei 1 Mês Comendo 1 Refeição Ao Dia

Janeiro de 2017, acabara de me mudar para uma nova casa. Segui curtindo meu novo emprego (trabalho também como modelo em uma empresa de ecommerce ) e super motivado a tentar algo novo, muito diferente do que simplesmente cortar alimentos refinados como vimos no artigo anterior . A ideia era contrariar uma das estratégias mais eficazes e básicas que você vai ouvir ao visitar um nutricionista: Coma de três em três horas. Os motivos para se comer assim são realmente eficazes e incluem: 1) Níveis de energia mais controlados devido à distribuição de açúcar constante e nutrição adequada durante todos os momentos do dia. 2) Menos fome repentina e desejo de comer besteiras monstruosamente; também devido ao açúcar controlado. 3) Maior chance de aproveitamento de tudo o que ingerimos e consequentemente melhor digestão. 4) Diminuição de catabolismo muscular (dano e possível perda de massa magra). 5) Você come menos, de maneira mais controlada e acelera seu metabolis

Meu Primeiro Ciclo Anabolizante

O que você precisa saber antes de ler esse artigo: 1) Não vai ter "para, para, para" do João Cléber. 2) A venda de anabolizantes e suplementos alimentares estrangeiros sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e sem informações de rotulagem em português é crime contra a saúde pública. 3) Por outro lado, a venda e prescrição de determinadas substâncias anabolizantes no Brasil não é ilegal desde que prescrita pelo devido médico. Segue o artigo: Art. 1o A dispensação ou a venda de medicamentos do grupo terapêutico dos esteroides ou peptídeos anabolizantes para uso humano estarão restritas à apresentação e retenção, pela farmácia ou drogaria, da cópia carbonada de receita emitida por médico ou dentista devidamente registrados nos respectivos conselhos profissionais.   ( PLANALTO, 2000 ) Com uma observação: Mesmo respeitando a lei, ou com a prescrição de um médico, tomar anabolizantes, seja para reposição ou para correção do nív

Apagar e Acender a Luz Não Queima a Lâmpada

- Nilo, dá para tirar o dedo do interruptor? Isso aqui não é boate não menino, vai acabar queimando essa luz. Faz tempo, mas daquelas verdade indiscutíveis de meus dias hiperativos, essa é uma daquelas que hoje posso rebater com toda certeza: Apagar e acender a luz não queima lâmpada alguma! Pelo menos não a do corpo humano. Pelo contrário, lhe ajuda a queimar gordura, acelera o metabolismo e faz o custo benefício de cada minuto de exercício subir ainda mais. Mas que lâmpada é essa a que me refiro? Apenas uma maneira figurada de entender nossa capacidade de gerar potência. Assim como uma lâmpada que consome mais energia de acordo com a intensidade de sua luz, o corpo humano também consome mais energia de acordo com a intensidade da atividade física que exercemos. E fato é que entre manter nossa lâmpada acesa com a luz bem suave por várias horas e deixá-la queimar com o máximo de incandescência possível ainda que por curtos períodos de tempo por repetidas vezes, é a segunda o