Pular para o conteúdo principal

Uma Visão Sobre Escolhas Alimentares & Atividade Física em Tempos de Fim do Mundo

Preferi esperar a poeira baixar, dar tempo de nos adaptarmos a nova realidade em relação a pandemia com a qual ainda estamos lidando, antes de trazer alguns pontos que podem servir de verdadeiras pérolas para todos nós, tanto onívoros (aqueles que comem de tudo), quanto vegetarianos (aqueles que restringem parcialmente ou completamente o consumo de produtos de origem animal). De fato, não imaginei que passaríamos por isso;  já demos adeus a mais de um milhão de vidas (e subindo...) ( WORLDOMETERS, 2020 ) por conta de um vírus que tende a ser ainda mais perigoso quando infecta portadores de doenças crônicas como diabetes e hipertensão, asma, assim como obesos e indivíduos acima de 60 anos ( CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS, 2020 ). Nos escondemos atrás de máscaras e litros de álcool em gel, mas sem nós dar conta de que através do desenvolvimento de Fitness (Hábitos Saudáveis, Educação Física e Nutrição), poderíamos prevenir não só as chances de termos graves complicações ao li

Road to Recovery: 5 Modalidades de Exercício Populares Por Lesões

Parabéns! Você está lendo o primeiro artigo da série Road to Recovery, inspirada na minha lesão de LCA, no intuito de ajudar pessoas que sofreram lesões, assim como motivar e informar aqueles que atualmente estão bem, mas gostariam de evitar riscos desnecessários.

Antes de tudo, tomando a perspectiva de um treinador físico, não acredito que realmente existam esportes que machucam "mais". Todo ou qualquer estudo, ou artigo que venhamos a encontrar a respeito do assunto, sempre tomará como base um grupo e um período de tempo muito curto se comparado a população como um todo (mesmo que fosse um estudo conduzido durante 2000 anos com um milhão de pessoas). Outro fator é que cada indivíduo não pode ser estereotipado apenas pelo treino ou exercício que faz. Existe um mundo de possibilidades ao redor, como nutrição, descanso, genética, hormônios, etc. 


Mas, vamos ao que interessa, levando como base as citações mais comuns, o Nilogia Fitness apresenta 5 Modalidades de Exercício Populares Por Lesões :

2) Musculação Convencional
3) Corrida
4) Jiu-Jitsu
5) Inércia

Confesso que assim que me machuquei, veio a primeiro momento a ideia de que daria um bom tempo longe do CrossFit e Jiu-Jitsu, mas depois que a ficha caiu, me pus a pesquisar e descobri que realmente é simples: Todo treino pode causar lesões, porém algumas da possibilidades envolvidas são piores do que outras, derrubar uma barra com 200 kg na cabeça com certeza deve machucar mais do que descobrir que está com tendinite por conta do excesso de corrida, mas isso não quer dizer que não possamos controlar os excessos, dar mais atenção a trabalhos de mobilidade e fortalecimento, assim com técnicas de massagem e alongamento, para diminuir boa parte dos riscos causados por uma execução falha ou excessiva de determinado movimento. 

A musculação convencional, aparentemente mais segura, menos intensa, auxiliada pelo uso de máquinas e equipamentos de cardio, também causa lesões o tempo todo. O excesso e uso de exercícios isolados causa dano as articulações e os mais diversos tipos de rupturas e tendinites.

Agachamentos, desenvolvimentos, puxadas e levantamentos-terra, comuns tanto na musculação, como no CrossFit, ainda que considerados exercícios funcionais, por imitarem movimentos naturais de nosso dia-a-dia, são realizados para volumes (carga) e frequências (repetições) altíssimas, muitas vezes sem possibilitar que o corpo se readapte aos estímulos propostos. Mais uma vez, recuperação, moderação no número de treinos por semana, nutrição, podem ser controladas a fim de auxiliarem o atleta, seja ele amador, ou profissional.

O jiu-jitsu, arte marcial suave, conhecida como xadrez de chão, só que com atletas menos preocupados com o próximo episódio do Game of Thrones, e mais interessados na maneira mais rápida de passar o carro, te imobilizar, e estarem prontos o mais rápido possível para o próximo rola, é incrível. Porém, assim como qualquer outra luta ou arte marcial, a partir do momento em que envolve impacto, explosão e movimentos rápidos, gera danos ao corpo, ainda que seja a longo prazo.

Correr, para quem assiste ou recomenda, pode até parecer super seguro, porém quem corre, seja 100, 200, 300 metros, ou 5 a 50 km por semana, sabe que a medida em que nos apaixonamos pela atividade, é comum lidar com dores, tendinites e situações mais graves, como degeneração de cartilagens e articulações.

Mas então tudo machuca?! Ao que tudo indica sim, e daí ficam perguntas: Será que o melhor então não seria ficar em casa? No máximo fazer uma dancinha, uma lambada, tai chi e yoga? Ou por que não, inventar desculpas e dizer que está velho de mais para isso? Ou se juntar ao coro daqueles com Síndrome dos Croods, que passam a vida todo trancados em suas cavernas dizendo "Cuidado! Isso é perigoso"?

Definitivamente, acredito que não! E torço para que você, que investiu tempo e esforço para ler até aqui, siga motivado a sair la fora e colocar a cara, ter o entusiasmo de fazer as coisas que gosta e aceitar, que quem está na chuva é para se molhar... Ou arremessar coisas para o teto!


Força! E Saia Sempre do Mesmo Lugar! 

Referências:

Postagens mais visitadas deste blog

Passei 1 Mês Comendo 1 Refeição Ao Dia

Janeiro de 2017, acabara de me mudar para uma nova casa. Segui curtindo meu novo emprego (trabalho também como modelo em uma empresa de ecommerce ) e super motivado a tentar algo novo, muito diferente do que simplesmente cortar alimentos refinados como vimos no artigo anterior . A ideia era contrariar uma das estratégias mais eficazes e básicas que você vai ouvir ao visitar um nutricionista: Coma de três em três horas. Os motivos para se comer assim são realmente eficazes e incluem: 1) Níveis de energia mais controlados devido à distribuição de açúcar constante e nutrição adequada durante todos os momentos do dia. 2) Menos fome repentina e desejo de comer besteiras monstruosamente; também devido ao açúcar controlado. 3) Maior chance de aproveitamento de tudo o que ingerimos e consequentemente melhor digestão. 4) Diminuição de catabolismo muscular (dano e possível perda de massa magra). 5) Você come menos, de maneira mais controlada e acelera seu metabolis

Meu Primeiro Ciclo Anabolizante

O que você precisa saber antes de ler esse artigo: 1) Não vai ter "para, para, para" do João Cléber. 2) A venda de anabolizantes e suplementos alimentares estrangeiros sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e sem informações de rotulagem em português é crime contra a saúde pública. 3) Por outro lado, a venda e prescrição de determinadas substâncias anabolizantes no Brasil não é ilegal desde que prescrita pelo devido médico. Segue o artigo: Art. 1o A dispensação ou a venda de medicamentos do grupo terapêutico dos esteroides ou peptídeos anabolizantes para uso humano estarão restritas à apresentação e retenção, pela farmácia ou drogaria, da cópia carbonada de receita emitida por médico ou dentista devidamente registrados nos respectivos conselhos profissionais.   ( PLANALTO, 2000 ) Com uma observação: Mesmo respeitando a lei, ou com a prescrição de um médico, tomar anabolizantes, seja para reposição ou para correção do nív

Apagar e Acender a Luz Não Queima a Lâmpada

- Nilo, dá para tirar o dedo do interruptor? Isso aqui não é boate não menino, vai acabar queimando essa luz. Faz tempo, mas daquelas verdade indiscutíveis de meus dias hiperativos, essa é uma daquelas que hoje posso rebater com toda certeza: Apagar e acender a luz não queima lâmpada alguma! Pelo menos não a do corpo humano. Pelo contrário, lhe ajuda a queimar gordura, acelera o metabolismo e faz o custo benefício de cada minuto de exercício subir ainda mais. Mas que lâmpada é essa a que me refiro? Apenas uma maneira figurada de entender nossa capacidade de gerar potência. Assim como uma lâmpada que consome mais energia de acordo com a intensidade de sua luz, o corpo humano também consome mais energia de acordo com a intensidade da atividade física que exercemos. E fato é que entre manter nossa lâmpada acesa com a luz bem suave por várias horas e deixá-la queimar com o máximo de incandescência possível ainda que por curtos períodos de tempo por repetidas vezes, é a segunda o