Mundo Tóxico & Dez Dicas à Prova de "Não vai Dar Certo"


"Comece com cloro, benzeno, ácido etilendiaminotetraacético, formaldeído, lauril éter sulfato de sódio, trietanolamina, ftalatos em todos os ciclos, cloridrato de alumínio, daí siga com cafeína, aflatoxinas e ocratoxinas e suplemente com N-L-alfa-aspartil-L-fenilalanina. Finalize com fluoreto de sódio, triclosano e dióxido de silício. Bom dia."

Não, esse não é um ciclo de anabolizantes a fim de virar o Logan Wolverine ou a Mulher Maravilha; são apenas algumas das toxinas as quais você se expõe ao acordar, tomar banho, agarrar um xícara de café e escovar os dentes antes de sair apressado. Em um dia comum, você pode se expor a uma média de mil agentes químicos, e a cada ano, uma média de mil novos agentes químicos são lançados no mercado. A indústria utiliza uma média de 80.000 agentes químicos diferentes na produção de bens, comidas, roupas, acessórios, cosméticos, objetos, móveis, meios de transporte, ou seja, em tudo o que que você possa imaginar.

© Reebok
Agentes químicos que por sua vez, agem como toxinas. Substâncias que confundem e alteram nosso fluxo natural e seus efeitos a longo prazo apontam ser de alto risco para nossa saúde. Doenças como o mal de Alzheimer, esclerose, depressão, fibromialgia, hipertensão, asma, dificuldade de concentração, disfunção hormonal, diabetes, colesterol elevado, infartos, falência múltipla de órgãos, perda de memória, fadiga crônica, artrite, osteoporose, obesidade e câncer podem ser todas estimuladas por esses agentes.

A palavra TOXINA que veio do grego e era utilizada para descrever qualquer substância venenosa produzida naturalmente dentro de células ou organismos, ganhou assim um sentido muito mais amplo. Enquanto toxinas "naturais", uma vez dentro de nossos corpos, em sua grande maioria, não deveriam causar danos ou doenças graves (já que somos capazes de nos desintoxicar naturalmente através da transpiração, do sistema urinário, respiração e fezes), as toxinas sintéticas não só podem causar desequilíbrios no funcionamento de nossos corpos, assim como dão vida a novos vírus, bactérias e micro-organismos que não existiriam sem a existência delas.

Não importa o quão cuidadoso, vegetariano, ativista, livre de glúten ou lactose, orgânico, hippie, chato, petista, republicano, democrata ou Jason Bourne você seja, estamos todos expostos a um certo grau de toxinas sintéticas.


Nossas três necessidades básicas para sobrevivência viraram ao longo das últimas décadas quase que mutantes do X-Men:

Comida: Agentes químicos, perda de nutrientes, produtos processados, geneticamente modificados, espessantes, aditivos que aumentam o sabor e cheiro, corantes, conservantes, hormônios, antibióticos (bio = vida), herbicidas e pesticidas.

Água: Enquanto 70% de nosso planeta é coberto por água, apenas 2.5% da água mundial é potável (SAVEH, 2017), sendo que temos acesso apenas a 1% da mesma, ou seja, estamos falando de 0.007% de água potável para alimentar e sustentar 6.8 bilhões de pessoas. Nossa água depende de filtros, agentes químicos, é duvidosamente purificada, mal distribuída e sufocada dentro de garrafas de plástico ou latões (note que o Bisfenol A presente em garrafas de plástico é cancerígeno). Além de tudo, para onde volta a água de nossas descargas? E de onde vem o peixe que comemos?

Ar: Como se não bastasse a poluição, o ar tornou-se condicionado e purificado artificialmente, ou morto e privado de circulação (observe um edifício residencial e note quantas são as janelas fechadas).


Para completar, além das mudanças na comida, água e ar, existem medicamentos, estresse, suplementos, cosméticos, bebidas alcoólicas e outras drogas que tornam o acúmulo de toxinas ainda mais grave. O corpo enfraquece, envelhece, e então você começa a pensar "- Bem, pelo menos estou melhor do que a maioria." Só que a maioria já não serve mais como exemplo.

Com base nisso, lhe convido a seguir as Dez Dicas à Prova de "Não vai Dar Certo":

1) Coma mais alimentos não industrializados, não refinados e não processados. Coma orgânico se possível.

2) Beba água. Sugiro um litro de água para cada 20 kg de peso corporal até criar o hábito. Constantemente, não de uma vez só.


4) Livre-se de medicamentos em geral. Caso tome algum remédio por receita, busque entender a causa da enfermidade e lute para alterar seu quadro clínico.

5) Diminua seu percentual de gordura caso esteja acima do normal. O corpo aloja toxinas em massa adiposa. Por isso corte gordura corporal e limite o consumo de gordura animal.

6) Pratique atividades físicas. Estimule a desintoxicação natural de seu corpo.

7) Alcalinize sua dieta. Toxinas são soluções ácidas que alteram o pH de nosso Corpo. Combata o risco de acidose e imunidade baixa seguindo uma dieta que leve em conta 60-80% de alimentos alcalinos a fim de combater a acidez.

8) Faça um programa de desintoxicação. Não importa a sua escolha, jejum, sucos, suplementos a base de algas, suplementos verdes, spa, maratona de drenagem linfática, existem diversos métodos, mas entenda que seu corpo, assim como um carro, também precisa de manutenção de vez em quando.

9) Consuma diariamente um mínimo de 3000mg de Ômega 3. Destilado molecular (livre de metais pesados) se possível.

10) Não coloque um preço em sua saúde. Comer de forma saudável, investir em um personal trainer ou nutricionista, água de qualidade, suplementos orgânicos, tudo isso pode parecer caro em um primeiro momento, mas quanto vale o seu corpo? E a cerveja? Whey protein? Noite com os amigos? Big Mac? Vestido novo? Iphone 8?

Não pense sobre isso, faça algo.

Keep Strong.